Voluntários recebem homenagem no Dia do Amigo

Publicada em 21.07.2011


Grandes histórias de altruísmo e dedicação foram lembradas na data.

Mario Quintana disse que a amizade é "um amor que nunca morre". Não há melhor definição para descrever o sentimento de Paulo Roberto Oliveira Pereira, que já dedicou 44 anos de sua vida ao Asilo Padre Cacique. Esta relação ultrapassou as fronteiras da simples ação social, tornando-se uma sincera amizade entre ele e os moradores e funcionários da casa.

O Dia do Amigo foi o momento certo para homenagear esta história. O voluntário recebeu o troféu "Amigo do Asilo Padre Cacique", em comemoração a data especial. O irmão de Paulo, José Carlos Oliveira Pereira, também foi reverenciado na solenidade. Auta de Amorim Pereira, esposa de José, foi quem recebeu o troféu em memória póstuma.

- Me sinto completo, principalmente pela homenagem ter se estendido ao meu irmão. Em 44 anos de voluntariado, a minha vida melhorou a partir de então. Sempre fazendo o bem pelos outros - emociona-se Paulo.

A trajetória de vida altruísta dos irmãos, construída por constantes atividades voluntárias no Asilo Padre Cacique, começou em 1967. Paulo iniciou seus trabalhos como odontologista, garantindo a saúde dos moradores durante toda sua carreira. Um pouco mais tarde, seu irmão juntou-se a causa, logo após decidir não mais se envolver com a administração de outra paixão: o Sport Club Internacional - clube em que coordenava as Categorias de Base.

Embora tenha ingressado depois, José fez grandes contribuições pelo asilo. Infelizmente, o último irmão a ingressar foi o primeiro a sair. Mesmo sendo obrigado a abrir mão de um amor, Paulo demonstra que sua satisfação em ajudar a quem precisa se torna cada vez mais forte.

- Um sentimento de dever cumprido, embora eu ainda esteja cumprindo com o maior prazer. Isso faz parte da minha vida. Acho que vou fazê-lo até meu último dia - conclui.

Dentro do Asilo Padre Cacique, o Dia do Amigo é o momento de retribuir, com um pequeno gesto, a quem dedica grandes esforços em benefício do próximo. Em histórias como essa, de um amor que nunca morre, o maior troféu é ter certeza de que este sentimento é correspondido pelos 150 vovôs e vovós da entidade.

Redação: Rafael Dias Borges
Coordenação: Marcelo Matusiak


Fonte: Play Press Assessoria de Imprensa